Um dos pontos mais delicados concernentes às relações médico-paciente diz respeito aos limites da autonomia do enfermo para escolher a quais tipos de cuidados sanitários pretende ou não se sujeitar, mormente nos casos em que a escolha firmada por uma pessoa possa colocar em risco sua própria vida. Cumpre questionar, pontualmente, se é viável queContinue lendo

Compartilhar