Depoimento de Clarissa Borges – #estudecomoumagarota

Semana começando com uma dose extra de motivação para vocês. 💪

O #estudecomoumagarota de hoje vai contar a trajetória da querida parceira e professora @clarissaborgess. Com a sua história, Clarissa nos inspira demonstrando que a preparação para concurso público não é linear, mas sim cheia de “altos e baixos”. Ela também nos ensina a não desistir mesmo diante das adversidades, e que para colher a aprovação no futuro, precisamos adotar uma postura de proatividade no AGORA!⠀

“Me chamo Clarissa, e venho compartilhar um pouco da minha trajetória. É difícil descrever de forma sucinta essa caminhada, cheia de altos e baixos, erros e acertos, mas extremamente gratificante. Já quero registrar que não é preciso ser “inteligente o suficiente” para passar em grandes concursos, genialidade nesse mundo é ESFORÇO. A disciplina e a perseverança devem ser atributos marcantes, e o esforço é uma característica que pode ser adquirida, basta querer, executar e persistir.

Quando me formei, decidi estudar focada nos editais da PFN e AGU. Logo no início, prestei o concurso da PGM-Recife e fiz 60% da prova, o que não foi suficiente para livrar o corte, mas me animou bastante. Percebi que tinha uma boa base, mas precisava ajustar os métodos de estudo e iniciar o estudo dos informativos, algo completamente ignorado por mim.

Sabe aquela sensação de que era possível, palpável? Foi exatamente o que senti! Passei a ter uma rotina intensa, costumo falar que vivia no “piloto automático” dos estudos. Procurava não pensar tanto, não me comparar com ninguém, apenas me sentava para estudar e executava. Quando qualquer pensamento negativo passava pela minha mente, eu lembrava: “mais um dia, menos outro”.

O segundo concurso que fiz foi o da PGE-PI, mas também não obtive sucesso. Mais uma vez, isso não me deixou desanimada, muito pelo contrário: sabia que estava mais perto. Depois, fiz a PGE-RN e obtive sucesso na primeira fase. Fui para as fases discursivas e consegui subir várias posições, o que me garantiu o 9º lugar, antes da fase de títulos. Infelizmente, fui para a 34ª posição na fase de títulos, o que, confesso, meu deixou muito frustrada. Nessa época também fiz o concurso da PGE-PR, mas não consegui ser aprovada na primeira fase. Então ficou bem claro que, por ter sido aprovada em um concurso, não significava que passaria em todas as provas objetivas de procuradorias dali para frente. Cada concurso é um “mundo”.

Diante da reprovação na PGE-PR e da queda brusca na fase de títulos da PGE-RN, passei dias desanimada. Foi nesse momento que me conscientizei: precisava viver cada dia de uma vez, fazer TUDO o que estivesse ao meu alcance, encarar todas as minhas dificuldades, aprender com os erros e ter o sentimento de que fiz o meu melhor. Encarei o concurso como uma verdadeira obrigação de meio.

Continue intensamente, priorizei a qualidade, abdiquei de muita coisa e consegui alavancar meus estudos.  Nesse período, resolvi fazer a prova da PGE-PA (famosa por suas cinco fases dentro de cinco meses). Para mim, foi uma grande escola: aprendi a ter paciência, a controlar meu emocional e organizar bem meus horários, para poder compatibilizar com o estudo da AGU/PFN. Nunca me esqueço da terceira fase, na qual errei umas das peças e achei que estava reprovada no concurso. Voltei para Recife chorando, pensando em todo o investimento dos meus pais, e no tempo que dei por “perdido”, de estudo para as provas da AGU/PFN, que aconteciam no mesmo semestre.

Contudo, consegui a aprovação com a nota necessária para continuar “viva” no concurso, daí fui aprovada e nomeada. Todas essas provas me deram uma segurança maior no concurso da AGU e da PFN. Consegui encará-los, sofri com a anulação da prova discursiva da AGU, os diversos adiamentos da prova oral da PFN, mas no final deu tudo certo: fui aprovada e nomeada nos dois concursos dos meus sonhos. Tenho certeza que cada minuto de dedicação valeu a pena e, se fosse necessário, passaria por tudo novamente!

A gente tem a tendência de achar que a vida é linear, que para ter sucesso, devemos tê-lo em todas as coisas e em todos os dias da nossa vida. Pois ela, feliz ou infelizmente, não é assim, sendo cheia de altos e baixos. Mas todos os dias você precisar buscar fazer o SEU MELHOR. Afinal, estudar para concurso não é aplicar uma fórmula matemática, na qual o resultado será preciso.

Quando começamos a estudar, precisamos estar preparados para os momentos ruins. Também temos a pressão e imposição da sociedade, todos julgam e querem resultados imediatos. Saiba que SEU TEMPO é diferente do tempo do OUTRO, sim! Quando entendemos isso, e aceitamos a NOSSA realidade, as coisas começam a mudar. A questão está em saber ter um olhar vencedor sobre os problemas, criar hábitos e superar todas as dificuldades diárias. Saber dizer “não” temporariamente para algumas distrações, é saber dizer “sim” para seu sonho: a aprovação. Desapegue-se das pressões sociais, pense no que você pode fazer AGORA! Afinal, você só tem o AGORA para mudar.”

Comentar via Facebook

Compartilhar